Páginas

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Amigo

escrevo cartas para o coração amargurado, quebrado, abatido.
ouço nas tuas canções a obra perfeita desde o meu nascer até o meu morrer.
percebo em cada momento o quanto suas mãos me seguraram.
reflito e peço perdão pelos erros. pelas dores causadas.

escrevo versos para um coração quebrantado, livre, poético.
ouço nas mais baixas notas o teu cuidado em me amar, me proteger, me cuidar.
percebo que nada seria sem teus olhos de compaixão.
reflito e me sinto amado, porque tu és o desejado das nações.

não sou santo, e nunca fui.
não sou pedra da esquina.
nunca fui e nem serei la perfeiccón em pessoa.
mas tenho minhas qualidades.
sei quando erro. admito. me dobro.
peço desculpa. peço perdão.
errar, não fazer mais.

gostaria de apagar muitas coisas, namoros, amizades.
ter a consciência adulta em todas elas.
mas não podemos prevenir o que não sabemos que vai acontecer.

escrevo cartas para o coração humilde, sincero e afagado.
pois o cara lá de cima estás bem perto, do coração contrito.



to evangélica hoje, não me julguem.